Bön Garuda Brasil

O Bön Budismo no Brasil

DZOGCHEN – Löpon Tenzin Namdak

tenzin_lopon_namdak1Löpon Tenzin Namdak, segundo as palavras do XIV Dalai Lama, “um dos principais mestres Dzogchen vivos na atualidade”, nasceu no ano de 1926, na zona de Khyungpo Karu, situado no Tibete Oriental, na região de Kham.

Lopön é um simples e venerável monge que somente possui as túnicas que veste e que dedica todos os fundos que arrecada com seus ensinamentos no Ocidente, para manter aproximadamente cem monges que vivem em seu mosteiro  de Katmandu.

Os ensinamentos Dzogchen sempre se mantiveram  rigorosamente secretos, até o ano de 1929, quando Sangye Tenzin Rinpoche, mestre de Lopön Tenzin Namdak Rinpoche, recebeu uma indicação das deidades protetoras da linhagem dzogchen, para desvelar o secreto e difundir os ensinamentos mais ou menos publicamente, uma vez que estavam em perigo de desaparecer.

Na prática Dzogchen, se o sujeito é um pensamento, então se dissolve com cada pensamento. A estrutura sujeito-objeto emerge e desaparece conjuntamente. Se, quando desaparece um pensamento, fica a consciência que se dá conta de que desapareceu o pensamento, é sinal que a dissolução não se produziu completamente. A liberação do pensamento (o objeto) é espontânea e a liberação do sujeito também. Somente se deve permitir que se dissolva bem o pensamento, sem ficar ali para ver o que acontece.

O Dzogchen, o estado natural, está mais além da consciência dual, de qualquer coisa que possamos conceber como consciência. Resumindo, a consciência não pode ser consciente do estado natural. Está atravessada e rodeada por ele, mas não pode vê-lo, assim como o peixe não percebe a água ou nós não percebemos o ar que nos cerca. O estado natural somente é conhecido pelo estado natural. O único meio de alcançar o estado natural é dar-se conta do estado natural. Não existe caminho, nem método. O principio é o fim e a base, o resultado.

O eu é uma superexposição efetuada sobre um fluxo de imagens mentais, conceitos e sensações mais ou menos sutis, de forma que somente temos que deixar que o pensamento sutil que sustenta a identificação do eu se libere, juntamente com o resto dos pensamentos densos. Assim, identificados os pensamentos sutis onipresentes, temos que deixar que se liberem ou se relaxem por si mesmo no estado natural. A única coisa que se deve fazer é permitir que todos os pensamentos, incluindo o pensamento do eu, se relaxem no estado natural.

Trata-se de um ensinamento que indica o essencial e que nos brinda com a verdadeira independência

Lopön Tenzin Namdak, este venerável senhor de aspecto frágil e benévolo, que se apoia em um bastão é, em realidade, um leão do Dharma proclamando – nas dez direções – o último e mais elevado ensinamento:

garudaESTUDAI  E  PRATICAI  O  DZOGCHEN!
O  DZOGCHEN  É  A  ESSÊNCIA  DA  RELIGIÃO.

Associação brasileira de Cultura Tibetana

Tel. 11-  4232-5630  Cel. 11/ 8996-4269 TIM

E-mail: abct.contato@gmail.com

http://www.maitreia.org

http://abct.wordpress.com

http://retirobardo.blogspot.com

http://sherabling.wordpress.com

Anúncios

7 de maio de 2009 Posted by | Bön, Bön Budismo, Bön Budismo, Bön Garuda, Buda, Budismo, Budismo Brasil, Dalai Lama, Dharma, Garuda, GESHE TENZIN WANGYAL RINPOCHE, Guru, Karma, Rinpoché, TENZIN WANGYAL RINPOCHE, Uncategorized | Deixe um comentário