Bön Garuda Brasil

O Bön Budismo no Brasil

BÖN

Apesar das diferentes escolas do budismo tibetano tornarem-se cada vez mais conhecidas (sobretudo a partir do exílio forçado dos tibetanos no ano de 1959), a ancestral tradição do BÖN continua sendo um sistema tão mal compreendido, quanto desconhecido, um fato que até mesmo a história oficial budista tibetana ou os especialistas ocidentais souberam tratar. Atualmente, esta situação tem-se modificado, sobretudo a partir de 1986, quando o BÖN foi reconhecido oficialmente pelo atual décimo-quarto Dalai Lama, como uma das cinco principais escolas do budismo tibetano. Ele salientou também a importância desta peculiar tradição milenar, para compreendermos o surgimento da cultura e da espiritualidade no País das Neves (Tibete)

Comumente se faz referência à tradição BÖN como um mero conjunto de práticas e rituais xamânicos primitivos, relacionados com sacrifícios de sangue, inclusive de magia negra. Seguindo a tendência imperante entre os  historiadores medievais tibetanos, alguns estudiosos ocidentais do início do século XX equipararam o BÖN ao xamanismo primitivo. Diante destas opiniões pouco fundamentadas, Löpon Tenzin Namdak Rinpoche, o mestre BÖN e o especialista vivo mais importante da atualidade, explica a evolução da sua escola ao longo de três períodos perfeitamente diferenciados:

1. O BÖN PRIMITIVO que corresponde mais ou menos ao xamanismo da Àsia Central e que representa a cultura religiosa tibetana antes da chegada do Yungdrung BÖN, procedente dos reinos perdidos de Tazig e Zhangzhung.

2.  O BÖN ANTIGO ou YUNGDRUNG BÖN, o Sendeiro espiritual que conduz à liberação e à iluminação, ensinado pelo Buda Tönpa Shenrab em Tazig e que, posteriormente, se expandiu até o antigo reino de Zhangzhung, situado no oeste do Tibete.

3. O NOVO BÖN que aparece em época tão recente como o século XV e constitui uma mistura de elementos budistas e BÖNs.

http://www.maitreia.org

http://abct.wordpress.com

http://retirobardo.blogspot.com

http://sherabling.wordpress.com


Anúncios

10 de maio de 2009 Posted by | Uncategorized | Deixe um comentário

ALGUNS ENSINAMENTOS BÖN SOBRE O DZOGCHEN

As três aplicações, dos três votos e os três relaxamentos

Tomando o voto de não mover o corpo, relaxamos na imobilidade.

Tomando o voto de não ativar a palavra, relaxamos no silêncio.

Tomando o voto de não mover os pensamentos, relaxamos no estado que está mais além do pensamento.


As três imobilidades

Quando o corpo não se move, os canais sutis permanecem imóveis.

Quando os canais não se movem, os olhos permanecem imóveis.

Quando os olhos não se movem, a mente permanece no Estado Natural.

Portanto devemos vigiar os olhos, pois o ponto principal reside na forma de olhar.

As três instruções diretas

Não seguir o passado.

Não projetar o futuro.

Permanecer naturalmente na Base.

Os três abandonos e os três não-seguimentos

Abandonar as coisas, sem esforço mental.

Abandoná-las, tal como são no vasto estado natural.

Abandoná-las sem tentar modificá-las, nem transformá-las.
Externamente, não analisar os objetos de maneira dualística.

Internamente, não imputar nenhuma crítica nem etiqueta conceitual.

Sem seguir os pensamentos relativos ao passado ou ao futuro, transcender o domínio da mente.

http://www.maitreia.org

http://abct.wordpress.com

http://retirobardo.blogspot.com

http://sherabling.wordpress.com


10 de maio de 2009 Posted by | Uncategorized | Deixe um comentário